img_4551

Comunicação Não-Violenta em Israel/Palestina: relato sobre o encontro entre Jericó e Mar Morto – Yuri Haasz e Sandra Caselato

Data / Hora
12/05/2015
20:00


Comunicação Não-Violenta em Israel/Palestina: relato sobre o encontro entre Jericó e Mar Morto – Yuri Haasz e Sandra Caselato

Yuri Haasz e Sandra Caselato vão contar sua experiência com a questão Israel/Palestina e a não-violência, e sobre sua participação como voluntários em um retiro de Comunicação Não-Violenta no deserto entre Jericó e o Mar Morto no início deste ano (2015).

O encontro, que ocorre todos os anos, reuniu cerca de 100 israelenses, palestinos e internacionais – entre ativistas, funcionários de organizações locais e internacionais de assistência humanitária e direitos humanos, e público interessado em geral.

Yuri nasceu em Israel e veio para o Brasil com 15 anos. Fez mestrado em Estudo de Paz e Resolução do Conflito e realizou pesquisa de campo de 6 meses trabalhando junto a organizações de direitos humanos em Israel/Palestina. Participou deste mesmo encontro anual de Comunicação Não-Violenta em 2012. Neste mesmo ano, Yuri e Sandra fundaram uma ONG voluntária, a FFIPP-Brasil (Educational Network for Human Rights in Palestine/Israel), que leva estudantes de graduação e pós-graduação para estagiar por 5 semanas em organizações de direitos humanos, direitos civis e justiça social na região. Além disso, Sandra trabalhou junto à ONU em Jerusalém Oriental com refugiados palestinos.

Yuri e Sandra têm pesquisado, vivenciado e compartilhado a Comunicação Não-Violenta em cursos e consultoria em várias esferas da sociedade – gestão pública em SP e Brasília, escolas, comunidades e empresas que buscam colocar um foco maior na humanização de seus ambientes. Também tiveram oportunidade de facilitar encontros no Japão, Estados Unidos, Tailândia e Israel/Palestina.

Abaixo, dois depoimentos de Sandra e Yuri, no decorrer da viagem:

1) Dependência econômica
Sandra Caselato: “No final da primeira parte do encontro no hotel em Bet Jalah, um grupo de participantes saiu para uma visita à Igreja da Natividade em Belém, que fica na área A dos Territórios Palestinos Ocupados, onde é proibida a entrada de israelenses. Apesar disso, alguns participantes israelenses nos acompanharam nesta visita e uma delas ficou chocada quando descobriu, ao comprar algo para comer, que a moeda utilizada nos Territórios Palestinos é o Shekel, a moeda israelense. Ela não sabia, como muitos dos visitantes, que o domínio de Israel sobre os palestinos dentro de seus próprios territórios é muito maior do que se imagina. Por exemplo, todo o recolhimento de impostos dos palestinos é feito por Israel, que repassa essas verbas à Autoridade Palestina e, às vezes, retém esse repasse como forma de punição coletiva”.

2) Mapa da região
Yuri Haasz: “Durante o intervalo do encontro de CNV, eu e a Sandra fomos para Holon, cidade ao lado de Tel-Aviv onde cresci, pois queria mostrar a ela alguns lugares que marcaram minha infância. Fomos à escola onde estudei da 1a à 8a série (foto), onde vimos o mapa da região pintado sobre uma das grandes paredes do prédio. Para mim essa imagem ressalta a contribuição que a educação tem para a manutenção do conflito: o mapa retrata Israel como sendo o território inteiro e literalmente ‘apaga’ a existência da Cisjordânia e de Gaza (Territórios Palestinos), que não são mencionados no mapa. Fui educado desde pequeno com esse mapa e ainda me lembro da surpresa que tive quando descobri que o mapa estava errado. Lembro da surpresa ao descobrir sobre a existência dos territórios palestinos, da sensação de perda de algo que na verdade nunca foi ‘meu’, e da existência e presença muito concreta de um povo inteiro e de sua terra, que até então eu entendia como sendo ‘nossa’. Ainda hoje, décadas depois, crianças israelenses são educadas de maneira que ignora a existência dos palestinos ou os retrata de forma estereotipada e inferior. Quem quiser saber mais sobre este assunto, indico que pesquise os estudos da Nurit Peled E-Hanan, professora da universidade Hebraica de Jerusalém, no livro “Palestine in Israeli Schoolbooks” (https://www.youtube.com/watch?v=pWKPRC-_oSg)”.

Evento: Comunicação Não-Violenta em Israel/Palestina: relato sobre o encontro entre Jericó e Mar Morto – Yuri Haasz e Sandra Caselato
Dia: 12 de maio, terça feira
Horário: 20h às 22h
Inscrições: via site (www.quintalamendola.com.br) ou email (quintalamendola@gmail.com) – o endereço do espaço será enviado após inscrição aprovada.

Todos os eventos do Quintal Amendola são GRATUITOS – a CONTRIBUIÇÃO É VOLUNTÁRIA!

Inscrevam-se, vagas limitadas!!

Reservas

O Quintal Amendola é localizado em São Paulo, no bairro Alto de Pinheiros. Para receber o endereço completo, é necessário fazer sua reserva em uma ou mais atividades.

As reservas estão fechados para este evento.

Comments are closed.

Design por Thomas Mourão